As Maravilhosas Doutrinas da Graça: Graça Irresistível

“Em suma, nenhum coração humano é tão obstinado a ponto de ser impossível ao Espírito conquistar e convertê-lo.”
Steven J. Lawson

Também conhecido como “chamado eficaz”, podemos definir este ponto como a ação do Espírito Santo, que convence do pecado, chama, atrai e regenera os pecadores eleitos. Nenhum dos eleitos, daqueles pelos quais, Cristo entregou a vida em sacrifício, deixa de crer. Esta ação do Espírito leva o homem a arrepender-se de seus pecados e a crer, garantindo a conversão do eleito.

R.C. Sproul afirma:

“A graça de Deus é resistível no sentido em que podemos resistir a ela, e o fazemos. Ela é irresistível no sentido em que alcança seu propósito. E ela produz o efeito desejado por Deus. Assim, eu prefiro o termo eficaz.”[1]

É de se notar, que todos os cinco pontos definidos no acróstico TULIP estão entrelaçados, e neste ponto não seria diferente. A depravação radical do homem impede que este se volte para Deus, pois está morto. Portanto, carecemos de um meio eficaz, irresistível. Se o homem pecador pudesse resistir, a eleição por parte de Deus e o sacrifício de Cristo seriam anulados.

Joel Beeke mais uma vez traz uma definição bem clara disto:

“A graça ensina que a salvação de pecadores indignos, merecedores do inferno (depravação total) é uma obra realizada apenas pelo Deus trino. Cada uma das pessoas da Trindade participa e contribui nessa obra. Antes da fundação do mundo, o Pai separou aqueles que seriam salvos. Depois, ele os deu ao Filho para que fosse seu povo (eleição incondicional). Contudo, os dois grandes atos de eleição e de redenção não completaram a obra de salvação. Incluída no plano de Deus quanto à salvação de pecadores, está a obra renovadora do Espírito Santo, pela qual a redenção é aplicada aos eleitos. Esse é o aspecto da salvação que pode ser chamado de irresistível ou eficaz.”[2]

Também a Confissão de Fé Batista de 1689, afirma que:

“Isso Deus faz iluminando-lhes a mente de maneira espiritual e salvadora, para que compreendam as coisas de Deus; tirando-lhes o coração de pedra e dando-lhes um coração de carne; renovando-lhes a vontade e, pela sua onipotência, predispondo-os para o bem e trazendo-os irresistivelmente para Jesus Cristo. No entanto, eles vêm a Cristo espontânea e livremente, porque a graça de Deus lhes dispõe o coração para isso. […] A chamada eficaz é resultante da graça especial e gratuita, de Deus, e não de algo que de antemão seja visto no homem; e nem de poder algum ou ação da criatura cooperando com a graça especial de Deus.”[3]

Deus, através do Espírito Santo, chamou pessoas de todas as classes (1Coríntios 1.24), introduzindo-os numa relação pessoal e eterna com Cristo (1Coríntios 1.9). Portanto, quando alguém confessa a Cristo como salvador, não o deve fazer por um momento de emoção num apelo, mas, o declarar pela habilitação do Espírito Santo, confessando assim o senhorio de Cristo (1Coríntios 12.3; 1Tessalonicensses 1.4-5).

Entendendo isso, percebemos que somente o Senhor tem a capacidade de fazer a igreja crescer. Para que alguém se arrependa, é necessário que o Senhor lhe conceda o dom do arrependimento. A fé é a porta aberta por Deus para que o homem entre no Reino de Deus. A porta está fechada pelo pecado, e somente Deus tem a chave. Como o homem está morto no pecado, seu coração está trancado por dois ferrolhos: o pecado e Satanás. A chave para abrir esta porta é apresentada na Palavra de Deus. Nós devemos estar confiantes nela, pois Deus tem um povo que Ele salva quando ela é proclamada. Grandes missionários creram nisso, como George Whitefield, David Brainerd, William Carey e o príncipe dos pregadores, C.H. Spurgeon.

A idéia transmitida aqui é a regeneração, não recomeço, mas começar outra vez, esta é a idéia do prefixo “re”. O homem não está meramente se afogando, ele já submergiu até o mais profundo do oceano. Esta obra é feita por apenas uma das partes, Deus. Por isso dizemos que a regeneração é monergística. Não podemos ajudá-lo nessa tarefa.

Os eleitos não se gloriam nisso, não se ensoberbecem, mas, pelo contrário, o verdadeiro eleito ora e pede a Deus que Sua Palavra seja aplicada em seu coração, a fim de que seja criado um senso de necessidade. Você deve entender que sua situação é desesperadora, e que não há nenhum meio de sair da condenação do pecado a menos que Deus o livre soberanamente. Somente Ele tem a capacidade de responder sua oração e fazer você crer (Atos 16.31), fazendo você reconhecer que creu porque ele operou em sua alma tanto o querer como o realizar (Filipenses 2.13). A salvação está somente no Senhor (Jonas 2.9).

[1] SPROUL, R.C. Eleitos de Deus. São Paulo: Cultura Cristã, 2009.

[2] BEEKE. Joel R. Vivendo para a Glória de Deus – Uma introdução à fé reformada. São José dos Campos: Editora Fiel, 2010.

[3] Fé para hoje – Confissão de Fé Batista de 1689. São José dos Campos: Editora Fiel, 1991.

 

Vinícius Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *