As Maravilhosas Doutrinas da Graça: Depravação total do homem

“Não teremos uma idéia adequada do domínio do pecado, a menos que nos convençamos dele como algo que se estende a cada parte da alma, e reconheçamos que tanto a mente quanto o coração humano se têm tornado completamente corrompidos.”
João Calvino Continuar lendo “As Maravilhosas Doutrinas da Graça: Depravação total do homem”

Bohemian Rhapsody – Um ciclo natural para o homem

Farrokh Bulsara, foi um jovem londrino, cantor e pianista, que ficou bastante conhecido pelo alcance de sua voz, sendo capaz de alcançar desde as notas mais baixas até as mais altas com a mesma facilidade com que tomamos um copo d’água no dia-a-dia. Não sabe de quem estou falando? É que Farrokh é mais conhecido por seu nome artístico: Freddie Mercury.
É praticamente impossível que alguém fale sobre Freddie Mercury e não tenha em mente a sua energia e presença de palco. Um verdadeiro showman. Se movendo de um lado para o outro como se estivesse prestes a explodir de emoção e adrenalina, e segundos depois, colocava toda a carga emocional necessária para tornar as baladas do Queen inesquecíveis. Mercury se tornou em seus anos de carreira e de vida, praticamente uma unanimidade entre o público e a crítica. A banda formada por ele, o guitarrista Brian May, o baterista Roger Taylor e o baixista John Deacon, alcançou sucesso mundial, e até hoje, algumas de suas músicas são usadas em filmes (quem nunca ouviu We are the champions?) com bastante frequência, mantendo na mente e corações de alguns a voz de Farrokh. Nesse texto, vamos usar como referência, especificamente aquela que talvez seja a canção mais icônica do Queen, Bohemian Rhapsody. Uma canção que em sua letra podemos vislumbrar a vida de Freddie, e quem sabe a nossa, antes de sermos resgatados por Cristo.

Bohemian

Boêmia é o estilo de vida baseado no hedonismo livre, no qual todos os prazeres são permitidos e são regados a bebidas e drogas. Geralmente, é atribuído aos artistas por conta da agitação do show business no qual, tem-se a ideia de diversão e felicidade constantes. Freddie Mercury viveu esse conceito com intensidade. Por muitos anos a imprensa britânica especulou sobre a sexualidade do cantor por conta de seu jeito extravagante e movimentos femininos que fazia nos palcos enquanto interpretava as canções. Apesar da ideia geral de que Freddie era gay, sua vida amorosa mesclava relacionamentos e envolvimentos amorosos com ambos os sexos.
A ideia de liberdade sexual como expressão de identidade seduz o homem desde os primórdios da criação, onde o prazer projetado e planejado supera a posição natural dos sexos (macho e fêmea), num comportamento quase animalesco. Se de 1920 a 1970, o consumo de álcool e drogas era um fator determinante para caracterizar uma vida boêmia, hoje, a sexualidade entra nessa equação assumindo uma posição muitas vezes mais importante que as anteriores. Já notou a competição para saber quem é mais descolado e “desconstruído”, sexualmente? Há uns meses, enquanto assistia ao Altas Horas, lembro-me de que a sexóloga convidada foi perguntada sobre como lidar com o preconceito com pansexuais (atração sexual por qualquer pessoa ou objeto), a convidada ficou intrigada pois a pergunta havia vindo de alguém bastante jovem para falar com tanta convicção sobre a sua identidade sexual. O rapaz respondeu que possuía 16 anos e ainda era virgem, mas quando falava sobre ser pansexual com os amigos não era compreendido. Esse jovem, é apenas fruto de uma competição a respeito de quem é mais libertino.
Outro ponto bastante preocupante a respeito do comprometimento de nossa juventude em seguir os passos de Freddie na vida boêmia, é o consumo de álcool e outras drogas. Não é difícil encontrar jovens bebendo cada vez mais cedo e sendo estimulados ao consumo de substâncias mais pesadas. A morte de nossa juventude tem começado aos 13 (idade média de início no consumo de álcool) e a partir daí, é regada constantemente.
Somos escravos de nossos desejos, inclinados naturalmente para o mau, pois em nosso coração habitam todos os desejos hedonistas de uma vida boêmia e desregrada (Jr 17:9; Mt 13:15; Mc 2:17;7:21-22; Rm 1:21; 7:11; Ef 4:22; Ec 9:3; Is 1:5,6; 6:10).

“Não tenho outro nome, senão o de pecador; pecador é meu nome; pecador, meu sobrenome.”
Martinho Lutero

Rhapsody

Rapsódia é o ato de repetir o mesmo verso de uma obra, com ênfases diferentes em cada nova declaração. Se o Chaves tivesse conseguido repetir o verso do cão arrependido no Festival da Boa Vizinhança, porém, com tonalidade e ênfase diferentes em cada uma delas, isso seria uma rapsódia. Analisando friamente a canção Bohemian Rhapsody, podemos notar que em termos de letra ela é bem fraca, porém, possui uma produção musical bastante criativa, por misturar elementos de hard rock com ópera, algo que com certeza abriu caminho para a popularidade de bandas posteriores como Nightwish, Van Canto e Within Temptation que mesclam os mesmos elementos de forma semelhante.
A vida do homem é uma constante rapsódia, pois apenas tenta mudar o tom e o ritmo como as coisas andam, mas no fim, o resultado é sempre o mesmo: morte.
Qualquer fã de música no geral, já ouviu falar sobre o Clube dos 27. Esse termo é usado para se referir ao alto número de cantores e artistas que morreram aos 27 anos, frequentemente pelo uso excessivo de drogas e álcool na busca pela vida boêmia que falamos acima. Alguns dos membros mais ilustres, são:

  • Brian Jones, fundador do Rolling Stones: Afogado em uma piscina. A certidão de óbito dizia que a morte foi “acidental”.
  • Jimi Hendrix, considerado por muitos como o melhor guitarrista de todos os tempos: A necrópsia mostrou que ele foi asfixiado pelo seu próprio vomito depois de uma combinação de vinho com pílulas para dormir.
  • Janis Joplin, “a voz rouca mais potente que o rock já viu”: Provável overdose de heroína.
  • Jim Morrison, vocalista da banda The Doors: Insuficiência cardíaca
  • Kurt Cobain: Suicídio
  • Amy Winehouse: Intoxicação Alcoólica

Mesmo que Freddie não tenha morrido aos 27 (morreu com 45 anos, em virtude de uma broncopneumonia acarretada pelo vírus da AIDS), é inegável que possuía um estilo de vida semelhante aos citados acima. O homem pode florear o quanto quiser o seu caminho, pode dizer que aquilo é o que o torna feliz, logo, faz bem, mas no fim, não pode mudar a realidade de que o seu caminho natural, é a morte. Ele pode trilhá-lo de forma mais intensa, ou até mesmo de forma suave, mas o destino permanece o mesmo (Rm 6:23; Gn 2:17; Is 3:9; Ez 18:4; Mt 25:46; Jo 4:36; Rm 1:32; Rm 5:12;21; 6:16,21; 8:6,13; Gl 6:8; Tg 1:15)

“Tão certo como a retidão conduz a uma vida feliz, assim o que segue o maligno corre para sua própria morte.”
Provérbios 11:19

O único capaz de quebrar o ciclo de pecado (Hb 4:15) e morte do homem (1 Co 15:20-22), foi o próprio Deus encarnado (Jo 1:14) para nos mostrar que somente a santidade e a perfeição podem romper com nossas fraquezas (Jo 1:12,13). Quantas vezes nos orgulhamos do número de séries que assistimos, buscamos desesperadamente por algum entretenimento, apenas para tentar satisfazer o nosso vazio? Somente Cristo pode nos libertar dessa rapsódia boêmia na qual somos tentados a buscar, ora momentos de grande adrenalina por meio de experiências sejam sexuais ou por meio do uso de drogas, ou na calmaria de se dedicar à preguiça e ao entretenimento televisivo, meios de satisfazer nosso vazio existencial que não em Deus. As experiências podem ser diferentes, mas a dedicação ao próprio desejo, tem somente um destino final.

Celso Amaral

A relação entre a Lei e a Graça

No rol das coisas que causam uma certa confusão na cabeça de muitos cristãos, está a relação entre a Lei e a Graça. Basicamente, encontramos dois grupos opostos: Os que buscam praticar a lei com total dedicação e aqueles que a ignoram totalmente acreditando que a Graça elimina qualquer traço de importância ou ensino que podemos ter com a primeira. Então, qual das duas é a correta?
Continuar lendo “A relação entre a Lei e a Graça”

Homossexualidade e Ideologia de Gênero

Dois assuntos bem polêmicos e que rendem debates acalorados entre seus opositores e defensores. Confesso que demorei para escrever a respeito principalmente por conta de muita besteira que vemos na internet em relação a vários assuntos, então optei por filtrar melhor algumas informações, colher outras e buscar no Senhor, como abordar esses assuntos de uma forma instrutiva e que seja edificante tanto para cristãos como Continuar lendo “Homossexualidade e Ideologia de Gênero”