Os Sete Pecados Capitais: Gula

Nanatsu no Taizai (Sete Pecados Capitais, em português) é um dos animes mais comentados, e talvez mais populares da atualidade. Até mesmo quem não é fã, mas que acompanhe animes regularmente, conhece a obra e tem uma ideia ainda que vaga do enredo. Porém, esse texto não é para falar sobre o anime, nem sobre o mangá. Os Sete Pecados Capitais já foram tema de filmes, novelas, animes e até mesmo de uma teoria sobre o seriado Chaves. É algo que muitos ouvem falar, mas que não sabem nem mesmo quais são as iniquidades que os compõem. Hoje, iniciamos uma série semanal na qual abordaremos cada um destes pecados em um contexto bíblico e contemporâneo e a Gula é o primeiro a ser abordado.

Origem

O pecado não é um conceito novo para a humanidade e muito para os cristãos. Porém, no século VI, papa Gregório Magno, tomando como base as repreensões do apóstolo Paulo em suas cartas, foi o primeiro a tomá-los como ponte para outros, abordagem essa, que foi oficializada por São Tomás de Aquino no século XIII em sua suma teológica, onde é abordada especificamente o que esses pecados têm de tão peculiar que os demais não o têm.

Gula

Não estejas entre os beberrões de vinho, nem entre os comilões de carne.
Porque o beberrão e o comilão acabarão na pobreza; e a sonolência os faz vestir-se de trapos.
Provérbios 23:20,21

Quantos memes sobre comida você viu até ler esse texto? Quantas vezes se pegou pensando em comida como se fosse a coisa mais importante do seu dia? Existe uma máxima no meio evangélico que diz o seguinte: “Crente não bebe, mas come que é uma beleza”. Há um grande problema em pensar assim, pois, não deixamos de nos embriagar apenas por não estarmos bebendo, apenas mudamos o objeto com o qual atingimos tal objetivo.
Comer desesperadamente traz uma série de outros problemas em nossa saúde espiritual, entre eles o fato de usarmos o prazer proporcionado pela comida como forma de alívio para a ansiedade, por exemplo. Trocamos a esperança em Deus pela satisfação momentânea da comida. Com isso, podemos desenvolver os chamados distúrbios alimentares, já que com o excesso de comida pode vir o sobrepeso e a autodepreciação da imagem que leva muitos à bulimia e à anorexia. Não sendo difícil encontrar nas igrejas pessoas nessa situação.
Uma vez que somos um corpo, a obsessão por comer também resultar em problemas de comunhão. O apóstolo Paulo alerta a esse respeito em sua primeira carta aos Coríntios quando se refere à ceia do Senhor com as seguintes instruções:

Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se.
Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus, e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo.
1 Coríntios 11:21,22

O que acontecia em Corinto era uma total desordem de um momento que deveria ser solene. A ceia do Senhor é o momento no qual todos se alimentam do corpo de Cristo e bebem do seu sangue, na condição de iguais. Ao se reunirem para tal, não havia presbíteros, neófitos, apóstolos… O que havia eram os servos lembrando do sacrifício do seu Senhor para salvá-los da condenação eterna. Mas alguns, buscavam nesse momento satisfazer os próprios prazeres carnais, se colocando à frente e agindo de forma que o próximo ficava com fome e não participava da celebração como deveria ser.
O pecado da Gula é chamado na Bíblia de glutonaria, que possui o mesmo significado de voracidade pela comida. Em diversos outros versículos temos advertências sobre não praticarmos tal ato. Vejamos alguns:

Andemos honestamente, como de dia; não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.
Romanos 13:1

Porque é bastante que no tempo passado da vida fizéssemos a vontade dos gentios, andando em dissoluções, concupiscências, borrachices, glutonarias, bebedices e abomináveis idolatrias;
1 Pedro 4:3

E olhai por vós, não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia.
Lucas 21:34

Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.
Gálatas 5:21

A referência de Galátas é bem emblemática,pois trata-se de uma exposição de quais práticas configuram justamente um comportamento de quem se age dominado pela própria carne, afinal, se somos dominados por nossos desejos, então não estamos vivendo no Espírito como gostamos de afirmar.

A comida é uma provisão de Deus e é necessária para nossa sobrevivência, porém, não podemos nos permitir que o desejo por ela, se torne uma forma de adoração no qual buscamos saciar não somente nossas necessidades físicas, mas também espirituais.

 

Celso Amaral

Sendo atletas de Cristo

A cada 4 anos presenciamos algo que é quase um fenômeno da natureza mundial: A Copa do Mundo FIFA. 32 seleções formadas pelos melhores jogadores de suas nacionalidades, representando a bandeira de uma nação, lutando pela glória de marcar o seu nome na história como vencedor de um evento tão grandioso. Continuar lendo “Sendo atletas de Cristo”