Introdução à Escatologia: A Grande Tribulação

A série de filmes e livros Deixados para Trás, cravou no imaginário de crentes do mundo todo uma visão hollywoodiana a respeito da Grande Tribulação, contribuindo para a ideia do arrebatamento secreto conforme a corrente dispensacionalista. O resultado desse legado, são crentes que possuem uma visão, e também expectativas, voltadas para eventos que sejam semelhantes aos narrados nos filmes e livros. O grande problema que temos, é que essa abordagem não é bíblica. Nesse texto iremos abordar os sete anos do reinado do Anticristo, até a volta de Jesus ao fim do período. Antes de iniciarmos, existem duas perguntas principais que precisarão ser respondidas antes de prosseguirmos.

1. O que é a Grande Tribulação?

A Grande Tribulação será um período de sete anos, nos quais Deus irá mover tudo o que há no céu e na Terra para preparar o Milênio e os eventos que nele ocorrerão. Ao contrário do que muitos pensam, não será o derramamento da Ira de Deus. A ira de Deus será descarregada sobre as nações ao fim desse período.

1.2 A igreja passa pela Grande Tribulação?

Sim, passa. Como vimos no texto sobre as Correntes Escatológicas, a ideia de que a igreja de alguma forma seria poupada, está mais baseada nas  visões quem a jovem Margareth MacDonald teve em 1830, que foram reformuladas, vale salientar, por John Darby entendeu o período de angústia que assolaria o mundo como sendo a Ira de Deus. A interpretação dada a 1 Tessalonicenses 4.16,17 como sendo de um evento antes da Grande Tribulação, é errada quando analisamos todo o panorama. Vejamos:

Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.
1 Tessalonicenses 4:16,17

Esse trecho deve ser lido como referência do que acontecerá quando o anjo tocar a sétima trombeta, que é a que se refere à volta de Jesus. Se Ele só volta na sétima trombeta, e os crentes são arrebatados ao ouvir o chamado para a batalha, então isso não ocorrerá antes das seis primeiras trombetas soarem, e antes das trombetas, haverão os selos. O único ciclo do julgamento pelo qual os salvos em Cristo não passarão, é o derramamento da ira de Deus sobre os pecadores através das taças, que serão derramadas somente após a volta de Jesus.

1.3. Como será?

Em Mateus 24.4-31, Jesus descreve de forma bem didática como serão os eventos do fim. Dentro de toda a narrativa de Jesus podemos dividir, entender da seguinte forma:

  1. Princípio das dores – Mateus 24.4-8
  2. Dores mais intensas – Mateus 24.9-14
  3. Grande Tribulação – Mateus 24.15-28
  4. A vinda do Filho do Homem – Mateus 24.29-31

Para alinhar esses eventos com o que é narrado por João em Apocalipse, entenda da seguinte forma: Os Selos de Apocalipse capítulos 6 e 8, duram do Princípio das Dores até as Dores mais Intensas; as Trombetas durarão do início da Grande Tribulação até a volta de Cristo.

1.3.1 O Princípio das Dores – Mateus 24.4-8

  • Manifestação de falsos mestres
  • Guerras e rumores de guerras
  • Rivalidade entre as nações
  • Fome
  • Terremotos

1.3.2 Dores mais intensas – Mateus 24.9-14

Perseguição intensa aos cristãos

  • Todas as nações perseguirão os servos de cristo
  • Apostasia
  • Os crentes serão traídos pelos próprios irmãos
  • Levantamento de falsos profetas
  • Multiplicação da iniquidade
  • Esfriamento do amor
  • Pregação do evangelho em todas as nações

1.3.3 Grande Tribulação – Mateus 24.15-28

  • O Anticristo ocupará Jerusalém
  • Perseguição intensa e aberta contra os crentes e judeus
  • Falsos cristos e profetas surgirão operando milagres para enganar a todos

1.3.4 A vinda do Filho do Homem – Mateus 24.29-31

  • Pessoal
  • Corpórea
  • Visível
  • Inesperada
  • Triunfante e Gloriosa

Esse tópico será abordado com mais detalhes e profundidade no próximo texto.

2. Os Sete Selos

O julgamento de Deus sobre o pecado, marca um período de angústia de toda a criação. Porém, ainda não é o derramamento da ira de Deus, mais detalhes sobre esse evento falaremos em textos futuros. “Uma melhor perspectiva seria entendê-los como ciclos concêntricos de julgamento, descrevendo basicamente a mesma coisa, mas com figuras simbólicas diferentes. Como sempre, o número sete indica inteireza. É importante observar que o sétimo selo desemboca nas sete trombetas e a sétima trombeta desemboca nas sete taças. Assim, as três séries estão intimamente ligadas umas às outras” (BEACON, p. 443). Com a abertura dos Selos temos mais detalhes sobre como ocorrerão os eventos do Princípio das Dores (Mt 24.4-8).

2.1 O Primeiro Selo: A Conquista

E, havendo o Cordeiro aberto um dos selos, olhei, e ouvi um dos quatro animais, que dizia como em voz de trovão: Vem, e vê.
E olhei, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso, e para vencer.
Apocalipse 6:1,2

Para entendermos quem é o cavaleiro a montar o cavalo branco, é preciso nos atentarmos às informações que se seguirão. Algumas interpretações, apontam para a ideia de que se trata da pessoa ou espírito de Cristo avançando através da igreja, para conquistar seu espaço e influência no mundo. Entretanto, é inapropriado enxergarmos dessa forma, uma vez que os próximos selos apontam para guerras, fome e peste. Coisas que serão erradicadas no reinado de Jesus.
A interpretação mais coerente então, é a que se trata do Anticristo, fruto da obsessão do mundo em alcançar a paz com suas próprias mãos. As principais características do cavaleiro são o arco, porém não há menção de flechas, ou seja, inicialmente, possuirá os meios para confrontar os seus inimigos, mas não os utilizará de imediato. A coroa representa a autoridade dada a esse líder pelas nações. Uma vez que os seus meios de negociação alcançarão a paz desejada, o mundo o elegerá como seu representante e senhor.
Pode haver alguma dúvida de que isto é uma visão do anticristo? Parece-se tanto com o Cristo verdadeiro que engana as pessoas, até muitos leitores desta passagem! Ele se aplica a todo o mal que se baseia no bem e a tudo o que a maldade espiritual conquista emprestando da Fé Cristã (Thomas F. Torrance, The Apocalypse Today).

2.2 O Segundo Selo: Guerra

E, havendo aberto o segundo selo, ouvi o segundo animal, dizendo: Vem, e vê.
E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra, e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada.
Apocalipse 6:3,4

O cavalo vermelho representa o holocausto da guerra (John MacArthur). A paz anteriormente  alcançada não durará o suficiente para que seja mantida sem a interferência bélica. Combates serão travados em todo o mundo. O fato de o cavaleiro portar uma grande espada, aponta para um aumento desproporcional de mortes violentas. Homicídios, massacres, revoltas civis e revoluções serão comuns após a abertura do segundo selo.

2.3 O Terceiro Selo: Fome

E, havendo aberto o terceiro selo, ouvi dizer o terceiro animal: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo preto e o que sobre ele estava assentado tinha uma balança em sua mão.
E ouvi uma voz no meio dos quatro animais, que dizia: Uma medida de trigo por um denário, e três medidas de cevada por um dinheiro; e não danifiques o azeite e o vinho.
Apocalipse 6:5,6

As guerras terão como consequência principal, a fome. Entretanto, a mensagem exposta aqui, não se refere propriamente dita à escassez de alimentos. Mas sim, à inflação. Conflitos armados provocam estragos econômicos tanto em países comumente tidos como seguros nesse sentido, quanto em economias mais frágeis. A quebra da Bolsa de Nova York em 1929, por exemplo, é creditada à Primeira Guerra Mundial (1914-1918) segundo alguns economistas.
A referência de uma fome causada pela desvalorização do dinheiro (inflação) é explicada pelo fato de que “um denário”, equivalia a um dia de trabalho e “uma medida de trigo”, era o correspondente ao consumo de comida diário por um pessoa no primeiro século. Entende-se, então, que o salário de cada indivíduo será apenas para que ele possa se alimentar, sem a possibilidade de possuir qualquer outro luxo. Em caso de serem uma família, o salário conseguiria comprar apenas “três medidas de cevada”, que era a dieta mais restrita de uma família pobre na região que hoje é a Palestina. Trigo, cevada, óleo e vinho eram a dieta básica da Palestina e Ásia Menor, portanto, nada deverá ser desperdiçado.

2.4 O Quarto Selo: Morte

E, havendo aberto o quarto selo, ouvi a voz do quarto animal, que dizia: Vem, e vê.
E olhei, e eis um cavalo amarelo, e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra, com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra.
Apocalipse 6:7,8

A cor do cavalo originalmente em grego, remete a um tom amarelado de verde, que remete uma palidez causada por um profundo terror como que diante da Morte em pessoa. Na abertura do 4º selo, 25% de toda a população mundial será morta. Os motivos serão os mais variados possíveis. Essas mortes serão causadas pela intensa violência (espada), pela fome oriunda da abertura do terceiro selo (fome), e pelas doenças (peste). É importante entendermos a relação de causa e efeito dos selos. Os governos do mundo estarão fragilizados por conta das frequentes guerras e caos econômico, culminando em uma precária situação de saúde, que resultará em epidemias facilmente alastradas e dificilmente controladas. Os animais se voltarão contra a humanidade, sendo também a causa de morte da população.
À primeira vista, a inclusão de animais selvagens com guerra, fome e doença parece intrigante, uma vez que a maioria das criaturas perigosas para o homem são extintos ou isolados em regiões despovoadas. Mas uma explicação pode ser que a criatura mais mortal de todos, o rato, prospera em todas as áreas povoadas. Os ratos têm sido responsáveis por incontáveis milhões de mortes ao longo da história, tanto pela ingestão de abastecimento de alimentos, e, especialmente, pela propagação de doenças. A ocorrência mais infame e devastadora de doença transmitida por ratos foi a Peste Negra, uma epidemia do século XIV de peste bubônica que dizimou um quarto a um terço da população da Europa. Em um mundo devastado pela guerra, fome e doença, a população de ratos pode correr solta (John MacArthur, 2010).

2.5 O Quinto Selo: O Clamor dos Mártires

E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.
E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?
E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram.
Apocalipse 6:9-11

Mártires das eras passadas clamar diante diante do trono do Senhor. Esse clamor não será um clamor simples por justiça, mas também por vingança pela parte do Senhor, que será respondido. Talvez o aspecto da natureza de Deus que mais cause repulsa em mentes mundanas e secularizadas sejam o fato que Deus é também vingador. Deus ao contrário do que insistem em dizer, não é subserviente. Para entendermos a causa dessa vingança, é preciso entendermos o que é de fato, ser um cristão nesse mundo.
Deus criou a humanidade para ser adorado conscientemente por ela (Gn 1.26), escolheu Abraão dentre inúmeras pessoas de seu tempo para que deste viesse uma nação que fosse capaz de adorá-lo como desejava (Gn 12.2; 17.2; Ex 3.12; 19.5,6; Dt 7.6; Sl 135.4), esse desejo se estende agora à igreja (Tt 2.14; Gl 2.20; Ef 2.10; Hb 9.14). Assim, cada vez que um judeu ou cristão é morto por amor do nome do Senhor, é um vislumbre de como o mundo pecaminoso não odeia somente o Senhor, mas qualquer um que O adore e que fale em seu nome. Matar os servos de Deus é uma tentativa de calar a adoração que é direcionada a Ele, interromper esse louvor é remover o Senhor de sua própria criação para que não seja mais reconhecido por ela. Essa atitude tem origem no próprio satanás que deseja o louvor para si. Assim, o Senhor vingará os seus santos que O adoraram e foram calados.

2.6 O Sexto Selo: O Abalo da Criação

E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua tornou-se como sangue;
E as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira lança de si os seus figos verdes, abalada por um vento forte.
E o céu retirou-se como um livro que se enrola; e todos os montes e ilhas foram removidos dos seus lugares.
E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas;
E diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro;
Porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?
Apocalipse 6:12-17

 Enquanto os selos anteriores possuem uma participação humana como agentes do caos, o sexto marca o início da  ação divina de forma direta. Os eventos da natureza serão tão intensos e surpreendentes que os líderes do mundo se esconderão e clamarão pela morte, pois vislumbram o que será deles quando a ira do Senhor, que ainda não é o momento, se derramar. Todas as placas tectônicas do mundo se moverão simultaneamente causando erupções vulcânicas em todo o planeta. O Sol e a Lua mudarão de aspecto. Haverá uma imensa chuva de meteoros. A atmosfera terrestre não possuirá mais o mesmo aspecto. Grandes terremotos em escala global são capazes de mudar a geografia e a topografia dos continentes, resultando em um mapa-múndi muito diferente do que atualmente conhecemos.

2.7 O Sétimo Selo: O Início das Trombetas

E, havendo aberto o sétimo selo, fez-se silêncio no céu quase por meia hora. E vi os sete anjos, que estavam diante de Deus, e foram-lhes dadas sete trombetas. E veio outro anjo, e pôs-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para o pôr com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro, que está diante do trono. E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus. E o anjo tomou o incensário, e o encheu do fogo do altar, e o lançou sobre a terra; e houve depois vozes, e trovões, e relâmpagos e terremotos.E os sete anjos, que tinham as sete trombetas, prepararam-se para tocá-las.
Apocalipse 8:1-6

 As trombetas marcam o início da Grande Tribulação. O silêncio no céu se dá pela expectativa de julgamento, pois as trombetas possuem maior poder destrutivo que os selos. O incensário era usado na cerimônia do templo/tabernáculo levando as brasas para o altar, onde ficavam as orações do povo. O sacerdote queimava as orações com as brasas do altar que havia sido acendido por fogo do próprio Deus e a fumava que o sacerdote dispersava no Santo dos Santos subia ao Senhor, vemos essa ideia expressa em Salmos 141.2.
O conteúdo das orações apresentada pelo anjo, é o clamor do santos por justiça e pela vinda gloriosa do Senhor para julgar as nações conforme vimos no quinto selo. Com a ascensão das orações até diante de Deus, a resposta foi imediata. O silêncio do céu foi interrompido pelos trovões, relâmpagos e terremotos, e os anjos se prepararam para tocar cada um as suas trombetas.

3. As Sete trombetas

Cada uma das sete trombetas desencadeia um julgamento específico de maior intensidade do que os primeiros seis selos, mas não tão destrutivos quanto as sete taças (Ap 16.1-21). As quatro primeiras trombetas destruirão a ecologia da terra (Ap 8.6-12), os dois próximos produzirão destruição demoníaca da humanidade ( Ap 8.13; 9:1-11,13-19), e a sétima trombeta introduz o derramamento da Ira de Deus contida nos julgamentos das sete taças.

3.1  A Primeira Trombeta: A Destruição dos Alimentos

E o primeiro anjo tocou a sua trombeta, e houve saraiva e fogo misturado com sangue, e foram lançados na terra, que foi queimada na sua terça parte; queimou-se a terça parte das árvores, e toda a erva verde foi queimada.
Apocalipse 8:7

Entendendo os eventos como consequências dos anteriores, podemos vislumbrar que o terremoto  causado pela abertura do sétimo desencadeará um abalo sísmico que resultará em um fogo que consumirá as florestas e plantações. A saraiva, ao contrário do que muitos pregadores dizem, é chuva de granizo e não fogo do céu. Possivelmente, essa chuva de pedras de gelo sejam resultado do desarranjo atmosférico causado pela abertura do sexto selo.

3.2 A Segunda Trombeta: Morte da Fauna Marinha

E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar.
E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte das naus.
Apocalipse 8:8,9

O grande monte ardendo em fogo pode ser uma referência a um deslocamento de uma montanha ou monte de fato, ou a um meteoro que foi lançado na terra. O impacto dessa montanha/corpo celeste será tão avassalador que a contaminação das águas resultará tanto na morte dos animais marinhos como também dos navios que estiverem nas águas. Alinhado ao ocorrido na primeira trombeta, temos uma outra fonte de alimentos da humanidade sendo destruída. Atualmente, 24% de todas as proteínas consumidas no mundo são de origem marinha.

3.3 A Terceira Trombeta: Destruição das Fontes de Água Potável

E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas.
E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas.
Apocalipse 8:10,11

A queda de um outro corpo celestial causará ainda mais danos à ecologia, mas desta vez, será nas fontes de água potável. Os detritos da queda dessa estrela contribuirá para poluir ainda mais o planeta, tornando rios e nascentes contaminados, reduzindo assim os estoques de água doce no mundo inteiro. O absinto é uma substância amarga e venenosa obtida a partir de uma raiz que produz intoxicação. Dependendo da quantidade, pode causar mortes. A humanidade insistirá no consumo dessas águas e acabará morrendo em sua teimosia, indicando que uma vez intoxicadas, essas águas não serão passíveis de purificação.

3.4 A Quarta Trombeta: A Destruição dos Corpos Celestes

E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e semelhantemente a noite.
Apocalipse 8:12

A destruição de todo o ambiente não se trata apenas de um reset da criação, mas é também um ataque à idolatria humana, que vê na natureza a origem de todas as coisas, a tal ponto de chamá-la de “mãe”. Os animais também foram objeto de adoração. O apóstolo Paulo fala a respeito dessa idolatria com bastante clareza em Romanos 1.20-23. Corpos celestes que foram criados para servirem de iluminação, passaram a ser alvo de consultas a respeito do futuro, com as pessoas confiando em previsões baseando-se na movimentação dos astros. O Senhor então, vai revelar seu poder atingindo os ídolos instaurados no coração humano.
Podemos imaginar com informações científicas o que resultará no ferimento dos corpos celestes. Ferindo a terça parte do sol, um esfriamento é inevitável, essa mudança compromete também o funcionamento das estações do ano e o crescimento dos alimentos que já estão escassos. O abalo de terça parte da lua, afetará o ciclo das marés que por sua vez, dificultará a navegação e pesca. Usando como referência Júpiter para idealizarmos a consequência do ataque às estrelas, é possível imaginar um cenário em que chuvas de meteoros sejam bastante frequentes. Pois o planeta em questão, funciona como um espécie de faxineiro do sistema solar, puxando para si através da sua imensa gravidade detritos do espaço.

Há um alerta final da quarta trombeta que é de extrema importância. As últimas três trombetas seriam ainda piores que as quatro anteriores, por isso  que o ser que João viu manifestou três “Ai”. Um para cada trombeta a ser tocada.
No caso dos sete selos, os primeiros quatro formavam um grupo distinto. Eram visões sucessivas de quatro cavalos (6.1-8). Isso é similar às trombetas. As primeiras quatro revelam catástrofes na natureza, enquanto as outras três descrevem um tipo diferente de julgamentos. Nos dois casos, o quinto e o sexto são independentes, e há um interlúdio antes do sétimo (BEACON, 2010).

3.5 A Quinta Trombeta: Gafanhotos

E o quinto anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na terra; e foi-lhe dada a chave do poço do abismo.
E abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço, como a fumaça de uma grande fornalha, e com a fumaça do poço escureceu-se o sol e o ar.
E da fumaça vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o poder que têm os escorpiões da terra.
E foi-lhes dito que não fizessem dano à erva da terra, nem a verdura alguma, nem a árvore alguma, mas somente aos homens que não têm nas suas testas o selo de Deus.
E foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem; e o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem.
E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles.
Apocalipse 9:1-6

A estrela que cai do céu em direção ao abismo é um anjo, pois ao dizer que “foi-lhe dada uma chave” indica uma característica de pessoa. Os gafanhotos não são normais, tratam-se demônios com aparência semelhante a um. A sua aparência é bem sugestiva uma vez que nuvens de gafanhotos são aterradoras e causam pânico quanto ao prejuízo que podem causar em plantações. Entretanto, esses aqui não atacarão às lavouras, somente os seres humanos. Da mesma maneira que os israelitas foram poupados no Egito (Ex 8.22), os santos de Deus não serão atormentados pelos gafanhotos.
O sofrimento empregado pelos gafanhotos não é tanto uma novidade quanto à intensidade mas quanto à sua duração. Atualmente, existem insetos com picadas extremamente dolorosas mas que não são fatais, como a vespa conhecida como Cavalo-do-Cão. A dor da picada desse inseto dura só três minutos, mas é tão intensa que faz seres humanos ficarem encolhidos e sem reação. Entomologistas (especialistas em insetos) recomendam que ao ser picado por uma criatura dessas, a vítima se deite e grite por ajuda, pois a dor é tão intensa que prejudica a coordenação motora, ocasionando em machucados por tentar correr e se distrair da dor. Dada a natureza dos eventos que estamos conhecendo é perfeitamente possível imaginar que a dor pode ser mais intensa que a da vespa mencionada, e ainda com o agravante de durar 5 meses. Não à toa, os homens desejarão a morte e não a encontrarão.

3.6 A Sexta Trombeta: Morte de 1/3 da População Mundial

E tocou o sexto anjo a sua trombeta, e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro, que estava diante de Deus,
A qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos, que estão presos junto ao grande rio Eufrates.
E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens.
E o número dos exércitos dos cavaleiros era de duzentos milhões; e ouvi o número deles.
E assim vi os cavalos nesta visão; e os que sobre eles cavalgavam tinham couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre; e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saía fogo e fumaça e enxofre.
Por estes três foi morta a terça parte dos homens, isto é pelo fogo, pela fumaça, e pelo enxofre, que saíam das suas bocas.
Porque o poder dos cavalos está na sua boca e nas suas caudas. Porquanto as suas caudas são semelhantes a serpentes, e têm cabeças, e com elas danificam.
E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar.
E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua fornicação, nem dos seus furtos.
Apocalipse 9:13-21

Novamente, vemos um juízo direcionado. O alvo dos anjos que sairão com a função de matar serão os idólatras, homicidas, feiticeiros, que promovem a prostituição, furtos e roubos. Enxofre, fogo e fumaça como instrumentos para causar a morte destes. Mesmo com todo o sofrimento passado, os homens não se arrependerão de suas obras.
João usa a palavra grega pharmakeia para indicar feitiçaria e bruxaria.  Nos primeiros séculos, e até mesmo em tempos mais antigos, drogas e remédios eram usados para confundir os sentidos e provocar experiências extrassensoriais. Essas experiências causadas por drogas resultavam em sessões espíritas, necromancia, feitiçarias e afins. É provável que a humanidade busque solução para o que enfrentará nessas soluções, o que resultará na punição divina.

3.7 A Sétima Trombeta: A Volta Gloriosa de Jesus

E o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre.
E os vinte e quatro anciãos, que estão assentados em seus tronos diante de Deus, prostraram-se sobre seus rostos e adoraram a Deus,
Dizendo: Graças te damos, Senhor Deus Todo-Poderoso, que és, e que eras, e que hás de vir, que tomaste o teu grande poder, e reinaste.
E iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra.
E abriu-se no céu o templo de Deus, e a arca da sua aliança foi vista no seu templo; e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande saraiva.
Apocalipse 11:15-19

A sétima trombeta inclui as sentenças definitivas, a ira de Deus sendo derramada por meio das taças e todos os eventos que culminam no reino milenar de cristo e a coroação de Jesus como soberano das nações. As nações perderão o medo e desafiarão o Cristo do Senhor. O desafio resultará na resposta do Deus Todo-Poderoso à arrogância das nações. A Arca da Aliança celestial marca o propósito do Senhor em se fazer presente para o seu povo.

Os detalhes sobre a volta gloriosa do Senhor Jesus, e o que ela acarretará à humanidade, você acompanhará no próximo texto dessa série sobre escatologia. Portanto, fique atento às novidades do blog Cristão Racional.

 

Referências Bibliográficas

ARAÚJO, Isael. Comentário Bíblico Beacon Volume 10. 1ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.

MACARTHUR, John F. New Testament Commentary. 1ª ed. Chicago: Moody Publishiers, 2006.

DIAS LOPES, Hernandes. Comentário Expositivo Apocalipse. 1ª ed. São Paulo: Hagnos.

WIERSBE, Warren. Comentário Bíblico Expositivo Warren Wiersbe. 1ª ed. Santo André: Geográfica Editora, 2016.

Celso Amaral

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *