O Senhor dos Anéis e o Cristianismo

Você sabia que a obra O Senhor dos anéis tem Deus como personagem principal, mesmo sem o nome dEle ser mencionado uma única vez? Esse texto é sobre a aplicabilidade do cristianismo nesta obra tão fantástica de J. R. R. Tolkien. Também farei uma curta menção a acontecimentos da obra O Silmarillion, que é conhecido como “o velho testamento” do universo que Tolkien criou, e ao O Hobbit, para melhor contextualizar o leitor.

Sobre o estilo Tolkien de escrever
Antes de começar a falar das características da obra em si, é preciso fazer uma breve explicação da forma de escrita de Tolkien e a sua forma de lidar com a história. Tolkien não contava suas histórias de forma alegórica (ele odiava alegorias),  o autor não queria fazer com que o leitor entendesse exatamente o que era contado. Seu estilo faz com que não nos prendamos ao óbvio, e para isso aplicava certos elementos à sua obra. O resultado dessa empreitada, é uma obra que cativou não somente entusiastas do cristianismo, mas também aqueles que não tem nenhuma ligação com a religião, e que gostaram da obra por motivos bem distintos. Inclusive, há pessoas que até hoje ainda não sabem que esta obra tem uma aplicabilidade cristã.

A Origem
Como o próprio nome deixa explícito, a obra tem como plot, anéis, que em sua totalidade são 20. 19 deles foram feitos pelos elfos com o intuído de se curar e construir. Os mesmos foram criados com a assistência direta de Sauron, Tenente de Morgoth que outrora foi o mais poderoso e sábio Valar (Espírito Angelical Superior).

Por seu orgulho e desejo de dominar a todos acabou caindo na escuridão e se tornando o Senhor do Escuro. Posteriormente, ao ser derrotado, Morgoth deixou Sauron encarregado de continuar sua guerra.  Tanto a Morgoth quanto a Sauron podemos aplicar neles o papel de Satanás (Ez 28:17-18).

Na montanha da perdição, Sauron criou o vigésimo anel. Sendo mais conhecido como o Um Anel, ou anel do poder para dominar todos os outros, esse anel é a objetificação do mal, o mal concentrado.

Mas em que sentido se pode aplicar esse anel ao cristianismo? Podemos dizer que o objeto representa 3 coisas:
1-A tentação (1Co10:13, Mt 26:41)
2-O poder de fazer com que as pessoas tomem o lugar de Deus, fazer com que as coisas sejam feitas segundo a sua própria vontade, objetivo de Sauron(Is 14:12-15)
3- A própria cruz, pois esse anel será o fardo carregado futuramente por Frodo. (Sl 68:19, Hb 12:3)

Durante a guerra de Mordor, Sauron foi parcialmente derrotado, perdendo assim o seu anel, que mais à frente vai parar nas mãos do nosso querido Sméagol/ Gollum.  Como o anel corrompe quem o carrega, aplica-se aqui o conceito de que ninguém tem a capacidade de tomar o lugar de Deus. Tal poder nas mãos de homens, elfos, hobbits e anões tende a os fazer sucumbir. Todos estão sujeitos a seus pensamentos egoístas e limitados(Pv 19:3, Mc 7:20-23).
Em O Hobbit, vemos Bilbo Bolseiro encontrando o tal anel do poder, que antes, estava sob a posse de um Gollum já quase que totalmente sucumbido á vontade do anel. o anel deu a ele longanimidade e outras vantagens, mas a que preço? Qual preço se paga ao querer ser como Deus?

Bilbo tocado de compaixão e pena, não mata Gollum, e esta compaixão iria mudar o destino da Terra média. Futuramente, a criatura corrompida guia o sobrinho de Bilbo, Frodo Bolseiro ao destino final do anel (Rm 8:28).

Cristo Revelado na Terra-Média

Em O Senhor dos Anéis, junto com seus personagens principais: Frodo, Gandalf e Aragorn. Perante atitudes e acontecimentos referente a esses três podemos fazer uma boa aplicabilidade do cristianismo através de suas trajetórias.
Analisando vários personagens da obra podemos observar características de Cristo neles, porém, nem um deles é o próprio Cristo, pois TODOS tem defeitos, eles somente tem aspectos do nosso Senhor. Nesses três personagens principais iremos encontrar o tríplice ofício de Cristo: o Sacerdote, o Profeta e o Rei.
Tais características ficam mais evidentes, nessas personagens, pois todos os três, se certa forma, ressuscitam (Mt: 28).

Frodo, o sacerdote (Hb 8:1-3)

img_20200507_1154041845703907012802628.jpg
Se doou, se ofereceu em sacrifício pela destruição do anel, carregou o fardo e todo o mal que ali tinha consigo (Is 53:4-5). Em certo ponto da narrativa, Gandalf diz a Frodo que existia uma força superior que o designou,  o predestinou a ser portador do anel desde o início (Ec 6:10, Co 2:7). Na Montanha da perdição Frodo vai quase até a morte para assim destruir o anel do poder. Podemos caracterizar isso como uma ressurreição.

Gandalf, o profeta (Dt 18:18)

Aquele que com sabedoria e conselhos conduziu a jornada de todos na obra. Nas minas de Moria, Gandalf enfrenta um Balrog (espécie de demônio) e cai em um abismo.  Após ter derrotado a criatura, morre de tanta exaustão. Logo mais, é ressuscitado por um Valar (espírito angelical superior) e volta não mais sendo Gandalf, o Cinzento, mas  como Gandalf, o Branco.

Aragorn o rei (1Tm 6:15)

O Rei não reconhecido (Jo 12:37). Antes, apenas um andarilho, descoberto depois como o herdeiro de Isildur e pretendente legítimo aos tronos de Arnor e Gondor. Aragorn “do nada” ressurge como o rei, o que podemos aplicar aqui outro aspecto de ressurreição.

O Espírito Santo

Não poderia esquecer de mencionar o papel do querido Samwise Gamgee, neste personagem podemos ver o seu papel da seguinte forma: O Espírito Santo (Jo 14:26,16:7)
Ele acompanha Frodo em toda a jornada, o consola, dá forças, e literalmente, carrega-o nas costas.

Conclusão
Tolkien criou um termo chamado Eucatástrofe. Palavra que usa um prefixo grego “euro” que significa “bom”. Definindo esse termo como uma súbita mudança de eventos no final de uma história. Uma catástrofe boa, uma repentina mudança feliz.
No final, na Montanha da Perdição, Sauron estava com vitória assegurada, mas o anel é destruído pelo descuido de Gollum, salvando todos. Isso acontece mesmo com Frodo já tendo se rendido a vontade do anel. A Eucatástrofe depende daquele que arquitetou tudo nos bastidores: Deus.
Quando parecia que tudo estava acabado naquela cruz, eis que o nosso Senhor ressuscita no terceiro dia, que Eucatástrofe maravilhosa!
Talvez você já tenha sofrido uma Eucatástrofe em sua vida, ou ainda irá.Cremos em um Deus do impossível, fique firme na fé, no devido tempo a sua Eucatástrofe também acontecerá, seja paciente.

Não somente nestes mas há diversos outros personagens que podemos fazer uma aplicabilidade cristã.
Que esse texto possa fazer você ver esta obra com outros olhos a partir de agora. Deus abençoe a todos.

Esse texto foi publicado em formato de thread no twitter do Daykson, você ver o conteúdo original e também outras postagens dele, seguindo @dayksonn na rede social em questão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *