O impressionante novo álbum de Kanye West

O mundo da música está em polvorosa com o novo álbum do cantor e produtor musical Kanye West. Particularmente, não conheço a carreira do cantor, e sinceramente, nem sabia que ele havia sido convertido ao evangelho, até o lançamento hoje de Jesus Is King. Esse texto tem como objetivo, não uma análise teológica robusta sobre cada música que compõe o disco uma a uma. Como o disco possui muito mais conteúdo que boa parte das músicas gospel que ouvimos nas igrejas, acredito que seja um material sobre o qual seja interessante nos debruçarmos e ao final do texto, teço um comentário sobre como estou vendo essa questão toda da conversão do cantor. O disco possui 11 faixas, então vamos abordar um pouco sobre cada uma. Vamos lá?

Every Hour

A música é basicamente cantada totalmente por um coral que se inicia, bem… como posso dizer? Frenético? Intenso? Talvez um misto bem equilibrado dos dois. A ideia da canção é a necessidade de louvarmos a Deus em todo o tempo, de forma que o seu poder e presença sejam manifestos entre nós. A canção também repete freneticamente “We need you” (Precisamos de Ti, em tradução livre) e essa necessidade deve ser nossa motivação para desde nossas horas até os nossos milissegundos ao Senhor.
Arrisco dizer que a música tem como objetivo preparar o ouvinte para o que está por vir nas demais faixas.

Selah

Não existe um consenso a respeito do significado de Selah. Alguns defendem que se tratava de um sinal para subir o tom da música que estava sendo entoada; outros alegam que trata-se de um chamado à exaltação; alguns outros apontam para o que seria uma pausa antes de uma subida. Levando em consideração esse verso:

“Antes do dilúvio, as pessoas julgam
Eles fizeram a mesma coisa com Noé
Todo mundo queria Gandhi
Então Jesus Cristo lavou a roupa
Dizem que a semana começa na segunda-feira
Mas o começo forte no domingo
Não estará em cativeiro com nenhum homem
João 8:33
Nós, os descendentes de Abraão
Yeah devemos ser libertados
João 8: 36
Se pois o Filho vos libertar verdadeiramente serei livres
Ele salvou um miserável como eu”


Noto que há uma subida de tom, mas não em aspectos musicais, mas em nos posicionarmos como cristãos de fato, nos libertando daquilo que nos escraviza. Noto um comparativo entre o julgamento que Noé recebeu por anunciar o juízo enquanto Gandhi recebe os louros por seu discurso pacifista, mas que não envolve redenção humana. Em seguida, Kanye nos lembra que mesmo que por hábito cultural tratemos a segunda como primeiro dia da semana, na verdade, o começo ocorreu num domingo com a ressurreição de Cristo, e que por conta disso somos livres, não devendo mais nada a ninguém. E que em Cristo, vivenciamos a verdadeira liberdade, e se apresenta como alguém que foi resgatado por essa verdade. Seguindo a introdução, o refrão da música é “Aleluia” sendo repetido frequentemente, e o final desse refrão é “Ele é maravilhoso”, reforçando que toda o louvor a Ele tem o motivo particular. Sua superioridade. A música em si é um convite a um posicionamento superior dos cristãos por meio do seu chamado, uma subida de tom, mas não em relação ao próximo, mas sim a si mesmo. Afinal, se representamos um Deus grande e Santo, nossos padrões agora são extremamente elevados e superiores ao que é pregado e ensinado por nossa cultura.

Follow God

A Bruna Santini (que comecei a seguir porque alguém retuitou uma postagem dela) fez um comentário interessante sobre essa música, segue:

001.PNG

Acredito que a ideia da batalha interna que ocorre agora, é um reflexo do posicionamento/subida de tom apresentado na canção anterior. Um verso da música que me chama bastante atenção, é “Gritando com meu pai e ele me disse: “Você não está sendo como Cristo”; Mas ninguém nunca te diz quando você está sendo como Cristo, de fato”. É bem comum nossa tendência de simplesmente ignorar os acertos e até mesmo deixamos de louvar a Deus pelo bem que nossos irmãos fazem quando obedecem às Escrituras, para focar nos seus erros de forma acusatória, reforçando fracassos que podem resultar num sentimento de não pertencimento do Corpo.

Closed on Sunday

A canção é um chamado à vida devocional. Dar um tempo com as selfies, se afastar do instagram, tirar um tempo com sua família e orar. Novamente, uso o texto da Bruna que explica a música e o Chick-Fil-A presente diversas vezes nos versos:

002.PNG

On God

Uma das músicas mais impactantes de todo o disco, a meu ver. Kanye fala sobre o modo como sua vida está nas mãos de Deus. Do sucesso aos fracassos, tudo está na conta de Deus. Levando em consideração que ele inicia a música fazendo um convite para que Pierre venha a Deus, e o aceite como seu Senhor, notamos que para o cantor estar com Deus (On God) é o melhor momento de sua vida. A menção ao livro de Jó é um ponto interessante, pois assim como Jó que tinha tudo e ao perder teve sua integridade posta em cheque por seus amigos, Kanye também passou um período de descrédito após uns surtos psicóticos, em um passado não muito distante pelo que encontrei sobre. “Ele quis dizer que quando ele achava que o que Jó sofreu foi um castigo exagerado ele começou a temer demais o diabo, mas acabou descobrindo que a vida naturalmente tem seus altos e baixos e que Deus o protegeria de todos (porque ele fala dos livramentos depois disso)”, disse Bruna em seu comentário no twiter.

Everything you Need

Agora, em Deus, Kanye aborda como a vida pode ser supérflua, uma vez que desejamos temos a tendência de buscar o que desejamos, mas não precisamos. Tudo o que temos e o que somos é o suficiente para nossa existência, afinal, o próprio Deus nos fez para sua glória e ao final da criação “viu que tudo isso era bom”. A visão desse ponto da criação, se mostra no trecho da canção que questiona nossa atitude perante a tentação sofrida por Adão e Eva. Afinal, se a pessoa que você ama “fizesse suco de maçã, você faria o que Adão fez? Ou diria: Amor, coloca isso de volta na árvore porque temos tudo o que precisamos”?
Reflita e responda honestamente para si mesmo.

Water

Dois trechos nessa música me chamam bastante atenção o primeiro, é logo no começo quando ele fala sobre o que entendo como sendo estados da água, (plannin) plana/calma/estável, (bootin) começo/início/ponto de partida, (movin) movimento/ação/em frente, (tubing) tubulação, etc. Assumindo que há uma intenção teológica do compositor, e também uma harmonia com a mensagem das outras canções, vejo da seguinte forma:
Cristo como sendo a água da vida, em sua primeira ação no evangelho remove a turbulência de nossa relação com Deus, nos dando paz com o Criador; a partir daí, nossa vida começa de fato, usando uma linguagem moderna, é como se fôssemos um celular que trava constantemente, mas que pela ação da água da vida (Jesus) é realizado um boot no sistema e então passa a funcionar como foi feito para ser; agora iniciados e funcionados, a água corre pelas tubulações de nossas veias transformando nosso coração e oxigenando corretamente nossa alma para uma vida com Deus.
Essa ideia se mostra coerente com o restante da canção, onde na estrofe seguinte há o seguinte:

Limpe-nos como a chuva na primavera
Retire o cloro da nossa conversa
Deixe sua luz refletir em mim
Eu prometo que não estou escondendo nada
É água
Nós somos água
Puro como a água
Como uma filha recém-nascida

God Is

Aqui temos o que vejo como um testemunho pois o cantor não se prende à ideia de que sua conversão foi uma mera experiência religiosa, ele expõe também sua compreensão da pessoa de Deus, do seu poder e de sua autoridade.

“Tudo o que senti, louvo ao Senhor
Adore a Cristo com o melhor de suas porções
Eu sei que não vou esquecer tudo o que Ele fez
Ele é a força nesta corrida em que estou
Toda vez que olho para cima, vejo a fidelidade de Deus
Me mostrando o quanto Ele é milagroso
Não consigo guardar para mim, não consigo me sentar aqui e ficar quieto
Todo mundo, eu direi até o mundo inteiro estar curado
Rei dos reis, Senhor dos senhores, todas as coisas que ele tem reservado
Dos ricos aos pobres, todos são bem-vindos pela porta
Você nunca será o mesmo quando invocar o nome de Jesus
Escute as palavras que eu estou dizendo
Jesus me salvou, agora estou são
E eu sei, eu sei que Deus é a força que me pegou
Eu sei que Cristo é a fonte que encheu meu copo
Eu sei que Deus está vivo, sim

 Hands On

Algumas pessoas com quem conversei sobre esse disco do Kanye se mostraram bastante céticas quanto à conversão do cantor. Não as condeno, o histórico brasileiro de celebridades convertidas não é nem um pouco favorável nesse sentido. No twitter que foi onde vi maior polvorosa com relação ao álbum, juntamente com os elogios vi muitas críticas quanto ao possível golpe de marketing que estaria sendo dado pelo músico. O cantor tem total consciência de sua nova condição. Como disse no início do texto não conheço a fundo a carreira de Kanye West, se por um acaso eu gostar de alguma de suas músicas fora desse álbum, muito provavelmente, será por conta de tê-la ouvido em algum filme ou seriado, mas pelo que encontrei ao pesquisar sobre ele, descobri que polêmicas são estão constantemente presentes em sua carreira. E nessa canção vemos uma menção a isso. Kanye sabe que seu passado não será esquecido, que as pessoas o usarão como arma para atacar todo e qualquer posicionamento cristão que tome daqui para frente, inclusive, nessa mesma canção ele cita a acusação do diabo e dos cristãos sobre sua nova vida, e faz o seguinte apelo numa das estrofes mais bonitas do álbum inteiro. Segue:

 “Eu mereço todas as críticas que você tiver para mim
Se isso é todo o amor que você tem, é tudo que você tem
Por cantar de mudança, você acha que estou brincando
Por louvar o nome dele, você pergunta o que eu estou fumando
Sim, eu entendo sua relutância, sim
Mas eu tenho um pedido, você vê
Não me jogue pro alto, coloque suas mãos em mim
Por favor ore por mim
Me segure na morte
Me segure quando tudo cair
Alguém ore por mim” 

Use this Gospel

Dando continuidade à meditação sobre sua nova realidade, o cantor reflete nessa canção sobre a dificuldade de se viver o evangelho, mas aponta para a esperança que o mesmo evangelho apesar de difícil vivência por conta de nossa natureza pecaminosa aponta. Não se trata de uma experiência comum, mas de colocar a nossa fé em Deus. Retomando um pouco do que foi abordado na canção On God e em Water. Chego a pensar que aqui temos o encontro das duas canções. Temos a reflexão sobre a dificuldade apontada em On God, mas temos o poderio de Cristo sobre as intempéries que encontramos, conforme apresentado em Water. O que nos dá força para viver tudo o que há para viver de forma que glorifique a Deus, somente por meio do evangelho, portanto leitor, use o evangelho.

Jesus is Lord

E para concluir, Kanye fez uma declaração profética e apocalíptica. O encerramento perfeito para um álbum que tanto falou sobre o poder de Deus, de Jesus e da ação transformadora do evangelho. Não há o que comentar aqui, apenas copiar palavra por palavra e dizer amém.

Todo joelho se dobrará
Toda língua confessará
Jesus é Senhor
Jesus é Senhor
Todo joelho se dobrará
Toda língua confessará
Jesus é Senhor
Jesus é Senhor

Por mais que tenhamos receio quanto a conversão de celebridades, o fato é que, se pesquisarmos sobre as atitudes de Kanye West desde que anunciou sua reaproximação à fé cristã, o cantor tem demonstrado um compromisso sério com sua nova vida. Que possamos glorificar a Deus por Ele ter proporcionado que Jesus será declarado Rei ainda que contra a vontade de algumas pessoas, afinal, de ateus a pentecostais, Jesus is King foi um dos assuntos mais comentados no twitter ontem, e provavelmente o será nos próximos dias, até porque acredito que muitos olhos estarão atentos ao comportamento de Kanye para que qualquer erro seja usado como justificativa para atacar ou criticar o evangelho, e sinceramente? Oro para que hajam mais mãos estendidas para interceder por ele do que olhos atentos para o seu fracasso.
Para concluir, uso novamente um texto da Bruna Santini no Twitter sobre a necessidade de uma obra assim em nossos dias.

Eu fico me perguntando o quanto esse álbum do Kanye irá impactar os jovens negros americanos.
É uma realidade muito distante da minha, mas eu fico muito feliz em imaginar que muitos voltarão às raízes cristãs com orgulho depois desse álbum. Que obra relevante! Não é só música.
Vocês o enxergam como mais um popstar, mas ele é MUITO relevante e influente no contexto dele, como um americano negro. É uma inspiração de peso para todos os jovens que estão se consumindo pela era “drugs are cool” e odiando qualquer religião. Uma convocação à família.
Um dos aspectos abordados pela teologia negra é justamente COMO a religião (no caso, o cristianismo) uniu os negros americanos nos períodos de perseguição intensa.
No BR isso evoluiu nas religiões com matrizes africanas e, indubitavelmente de forma recente, no pentecostalismo.
E o Kanye resgata tudo isso. A necessidade de se unir por meio da igreja. É um contexto longe do seu, mas não deixa de ser importante. Por favor, SE LEMBREM DE AZUSA. Ainda mais num mundo globalizado. O que acontece lá repercute aqui SIM.
Bruna Santini, no Twitter

 

Celso Amaral

2 comentários em “O impressionante novo álbum de Kanye West

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *