Qual a sua fraqueza?

Já parou para pensar qual a sua maior limitação? Sejam elas, físicas ou emocionais, todos nós possuímos fraquezas ou fatores limitadores. O verso mais usado para tratar sobre as fraquezas é um trecho da segunda carta aos Coríntios, escrita pelo apóstolo Paulo:

Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim.
2 Coríntios 12:9

O filme Um Lugar Silencioso trata de fraquezas que podem ser um trunfo. E é sobre disso que falaremos nesse texto.

Sobre o filme – CONTÉM SPOILERS

Em 2020, o planeta foi invadido por criaturas extraterrestres predatórias sem visão, com audição extremamente sensível (que aparentemente usam a ecolocalização para caçar seres humanos e outras presas). A família Abbott busca suprimentos na cidade, permanecendo o mais silenciosos quanto for possível e comunicando-se exclusivamente por meio da língua de sinais. O mais novo dos três filhos, Beau, quer um foguete de brinquedo, mas seu pai, Lee, remove as baterias, avisando-o que os sons que o brinquedo faz são muito altos. No entanto, Regan, a irmã mais velha surda de Beau, devolve o brinquedo ao irmão, que compõe o erro pegando as baterias em seu caminho para fora da loja. Enquanto a família retorna para casa, Beau liga o foguete de brinquedo, cujo som atrai a atenção de uma das criaturas, que o massacra.
Um ano depois, as criaturas tomam conhecimento da localização da família Abbott. Lee repara o implante coclear de Regan, aumentando o sinal com peças sobressalentes de rádio retiradas da cidade abandonada, mas o dispositivo não consegue restaurar sua audição. Apesar das repetidas demonstrações de apoio de Lee e de sua insistência de que a morte de Beau não foi culpa dela, as tensões se desenvolvem entre Lee e sua filha.
Quando após alguns acontecimentos, Regan é encurralada junto com sua mãe e seus irmão no porão da casa por uma das criaturas, ela descobre que o último aparelho de surdez que seu pai havia feito, é capaz de produzir uma onda em alta frequência que compromete o sentido de ecolocalização dos monstros, tornando-os vulneráveis.

Fraquezas

Uma criança surda em um ambiente no qual a sobrevivência depende do som, é algo de fato preocupante, afinal de contas, Regan Abbott não tem condições de perceber a intensidade de seus movimentos e ações. Some-se a isso, o remorso que sente pela morte de seu irmão caçula e a dificuldade de acreditar no amor do pai, e temos a receita do caos.
Não é muito difícil nos colocar no lugar de Regan, afinal, quantos erros cometemos que influenciam diretamente na vida de outros, e quando sabemos das consequências desses erros ou fraquezas, nos culpamos e temos dificuldade em nos perdoar e nos relacionar com os atingidos. Tentamos sobreviver em um mundo que despreza fraquezas. No WhatsApp temos os status e as mensagens motivacionais, no facebook temos as autoafirmações com seus casos de sucesso individual e superioridade aos demais; no Instagram, vemos pessoas felizes, em lugares paradisíacos, sorrindo e mostrando um sucesso que parece distante de pessoas comuns. Infelizmente, temos tido o hábito de trazer essa mesma ideia para nossa vida espiritual.

Ansiedade, depressão, Síndrome do Pânico, Transtornos Obsessivos-Compulsivos, Fobias e afins, apesar do que se pensa e se fala, estão presentes em cristãos. E sendo agravadas, por uma abordagem simplista e que muitas vezes ignora a realidade dos fatos. Como dizer que temos medo de morrer quando estão todos celebrando pela vida? Como dizer às pessoas mais próximas que tem pensamentos suicidas, quando estão todos fazendo milhares de planos para o futuro? Somos tentados inclusive a acreditar que tais fraquezas e deficiências, de alguma forma comprometem o nosso relacionamento com Deus, e até mesmo a nossa salvação.

O poder transcendente

A fonte de esperança do cristão em meio a todo esse caos instaurado em nossos corações se encontra justamente no poder de Cristo em superar todo e qualquer obstáculo.  Dentre todos os milagres de Jesus registrados no evangelho, dois deles chamam bastante a minha atenção, por conta de notarmos o poder do evangelho de forma visível. É o caso do leproso curado após a ministração do Sermão do Monte e o da mulher do fluxo de sangue, vamos analisar ambos na ordem em que Mateus nos apresenta

“E, descendo ele do monte, seguiu-o uma grande multidão.
E, eis que veio um leproso, e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo.
E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra.”
Mateus 8:1-3

E eis que uma mulher que havia já doze anos padecia de um fluxo de sangue, chegando por detrás dele, tocou a orla de sua roupa;
Porque dizia consigo: Se eu tão-somente tocar a sua roupa, ficarei sã.
E Jesus, voltando-se, e vendo-a, disse: Tem ânimo, filha, a tua fé te salvou. E imediatamente a mulher ficou sã.
Mateus 9:20-22

Em ambos os casos as pessoas envolvidas eram consideradas impuras, e caso fossem tocadas ou tocassem nelas, seria considerado impuro (Lv 15:5; 22:6). Ao tocar e ser tocado, ao invés de ser contaminado pela impureza, Cristo limpou essas pessoas. Nossos pecados não são nada diante do poder redentor de nosso Senhor Jesus. Costumamos temer nos aproximar após um erro ou pecado, por acreditar que nossa condição é horrenda ao ponto de manchar a imagem/nome de Cristo, quando na verdade, ao chegarmos junto dEle, nós é que somos purificados e nossas manchas são apagadas, e pelo seu sangue somos feitos mais alvos que a neve (Ap 7:14; 22:14). Para entendermos de fato, o capítulo 12 de 2 Coríntios, precisamos acompanhar desde o capítulo 11, no qual o apóstolo defende seu ministério e vocação, contando um pouco sobre o seu sofrimento para a pregação do evangelho, chegando verso 30, que diz:

Se devo me orgulhar, que seja nas coisas que mostram a minha fraqueza.
2 Coríntios 11:30

Em nossas fraquezas é que somos de fato, contemplados com o poder de Deus. Se Regan não fosse surda, seu pai não teria feito o aparelho que mesmo não a fazendo escutar, proporcionou que sua família sobrevivesse aos eventos do filme. Nunca saberemos por quê Cristo é o príncipe da Paz, se não passarmos por conflitos. Não contemplaríamos a sua graça superabundante, se não fôssemos escravos do pecado que abunda em nós.
Nossa função não é ser perfeitos, mas glorificar a Deus. E até mesmo nossas fraquezas e deficiências servem a esse propósito quando estamos em Cristo.

 

Celso Amaral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *