Cosmovisão Cristã

Como alguns leitores sabem, o blog conta com a colaboração de três escritores e temos alguns planos e projetos de textos a serem publicados futuramente, que abrangem uma série de assuntos contemporâneos, com o mesmo intuito de sempre: apresentar um ponto de vista bíblico que seja, relevante e coerente. E para podermos abranger tais assuntos com liberdade, é necessário sabermos a fonte de tal ponto de vista e é isso que será abordado nesse texto.

Cosmovisão, o que é?

O que você pensa sobre o aborto? O que é a marca da besta? Qual o limite ético para os testes de modificação genética? Reflita um pouco e responda para si mesmo cada uma dessas perguntas. A sua resposta para esses dilemas, são resultado daquilo que trataremos nesse texto: a Cosmovisão.
A palavra é uma junção de dois termos cosmos, que significa mundo e visio, que significa visão. Ou seja, cosmovisão significa, “visão de mundo”. É o conjunto de suposições que acumulamos por meio das formas de conhecimento que utilizamos para interpretar os acontecimentos e também para organizar nossa experiência de vida.
Segundo James Sire (The Universe Next Door, IVP) “uma cosmovisão é um conjunto de pressuposições (pressupostos que podem ser verdadeiros, verdadeiros em parte, ou totalmente falsos) que nós abraçamos (conscientemente ou não, consistentemente ou não) acerca da composição básica do nosso mundo.”

Como se desenvolve uma cosmovisão?

No decorrer de nossas vidas, acumulamos três tipos de conhecimento: empírico; científico e teológico.

  • Conhecimento empírico – é o que adquirimos com base em nossas experiências e naquilo que nos ensinam também baseado em experiências anteriores.
  • Conhecimento científico – é aquele adquirido por meio de pesquisas e métodos científico, que geralmente chega por meio de instituições de ensino.
  • Conhecimento teológico – é a ciência do divino e do espiritual. A compreensão a respeito de quem rege todas as coisas.

No meio secular, o estudo de uma Cosmovisão se restringe quase que somente entre os conhecimentos empírico e o científico, mas, como somos um blog cristão que trata de assuntos teológicos e o conteúdo é cosmovisão cristã não podemos deixar de lado esse fator importante para o nosso estudo.

Para que serve uma cosmovisão?

O desejo de termos e buscarmos a compreensão daquilo que nos rodeia, está relacionado a necessidade natural do ser humano de alcançar as respostas por tudo aquilo que foi perdido desde a queda de Adão no Éden. Essa carência nos leva a buscar informações que nos ajudam a melhor compreender os eventos na história da humanidade, de modo a nos fornecer uma compreensão de nosso objetivo e propósito nessa vida.

Não é difícil encontrar cada vez mais jovens sofrendo com crises de ansiedade, depressão e pensamentos suicidas. A falta de esperança e incerteza do futuro fazem parte da lista de causas desses problemas (obviamente, não são as únicas). Todos os dias recebemos uma tonelada das mais variadas informações, principalmente por meio das redes sociais. Uma cosmovisão coerente fornece subsídios para lidar com todas essas informações, de maneira satisfatória tanto para nós mesmos, como em nosso relacionamento com o próximo.

O que é a Cosmovisão Cristã?

Bom, trocando em miúdos, é a interpretação dos acontecimentos da história da humanidade sob a perspectiva cristã. Nada muito diferente do que temos falado até agora. Você pode pensar, “é realmente necessário que eu tenha um pensamento cristão a respeito das coisas?” A resposta é, sim. Uma vez que dizemos professar a fé em Cristo e em seu poder transformador, devemos assumir uma postura totalmente nova (2 Co. 5.17), contraindo uma nova mentalidade, agora, totalmente oposta àquilo que praticávamos e pensávamos outrora (Rm. 12.2).

Basicamente, a doutrina cristã é, (ou pelo menos, deveria ser) um conjunto de ensinamentos baseados e fundamentos na Bíblia Sagrada, podemos tê-la então, como um dos exemplos de cosmovisão de uma denominação eclesiástica. Toda a liturgia do culto é reflexo da cosmovisão que rege os ensinamentos daquela igreja.

Como desenvolver uma Cosmovisão Cristã?

Vamos repetir o exercício o início do texto. No que você crê? Deus predestina ou o homem tem papel na salvação? Os mandamentos foram abolidos? Os dias da criação, são literais ou figurados? O Antigo Testamento deve ser considerado? A bíblia é de fato, inerrante?
Usei perguntas referente doutrinas bíblicas, justamente para que reflita sobre qual o estado da sua Cosmovisão Cristã. As respostas que deu para essas perguntas, dão uma ideia de qual a sua teológica. Assim como, nos conhecimentos científico e empírico, é necessário que exercitemos nosso conhecimento teológico  com o objetivo justamente de desenvolver e praticar uma cosmovisão que glorifique a Deus.

Atualmente, a igreja tem desenvolvido uma cosmovisão adequada?

Sofremos hoje com uma série de ensinos que estão totalmente em desacordo com o  que Palavra define como sã doutrina. A pior parte é que tais preceitos se proliferam de forma muito rápida e acabam criando raízes profundas tanto na mente, quanto no coração. Para entendermos um pouco de nossa situação, vamos analisar alguns dados sobre as denominações evangélicas em nosso país:

  • Assembleia de Deus – 29,12%
  • Protestantes sem denominação determinada – 22,02%
  • Outras denominações protestantes – 17,73%
  • Batistas – 8,8%
  • Congregação Cristã no Brasil – 5,41%
  • Igreja Adventista do Sétimo Dia – 5,24%
  • Igreja Universal do Reino de Deus – 4,43%
  • Igreja do Evangelho Quadrangular – 4,27%
  • Igrejas Luteranas – 2,36%
  • Igrejas Presbiterianas – 2,17%

Antes de prosseguirmos com a análise é importante algumas ressalvas; 1) Os dados são de 2010; 2) À época da coleta de dados o termo “desigrejado” praticamente nem existia, então não podemos afirmar que esse número se refira propriamente a esse grupo.

Como podemos notar a ampla maioria das igrejas evangélicas no Brasil são de linha teológica pentecostal e neopentecostal e isso tem um impacto significativo quando tratamos de questões relacionadas à nossa existência. Boa parte dessas denominações têm sua teologia baseadas na manifestação carismática dos dons espirituais, onde o conhecimento teológico é substituído pelo conhecimento empírico. Essas experiências podem ser manipuladas e/ou induzidas, e disso, surgem inúmeros outros problemas, como por exemplo, são produzidos crentes que não conhecem o mais básico da fé que dizem professar, nem mesmo conhecendo as origens de tais denominações. Há uns anos atrás, vi uma pesquisa sobre o fato de que a fé de uma grande parte dos jovens cristãos não sobrevive à faculdade, dependendo do que escolhem cursar. Isso é muito grave! Pois é um alerta de que não estamos dando subsídio teológico sólido o suficiente para mantê-los no caminho da verdade. Diante dessa negligência, é onde doutrinas como o Marxismo, chegam à igreja. Seduzidos pela mensagem de igualdade e ajuda dos pobres, são tragados por uma ideologia ateísta em sua essência, que é a base para a teologia da libertação – teologia essa baseada na ideia de que a causa do pecado na verdade, é a desigualdade social, quando biblicamente, a causa da desigualdade é o pecado.

Além do Marxismo, não é difícil vermos em igrejas, afirmações espíritas, positivistas e “ministros” que mais soam como psicólogos que pregadores do evangelho. Uma vez que a igreja deixa de se alimentar do Evangelho para se alimentar das influências culturais, está construindo sobre a areia ao invés de se edificar sobre a rocha (Mt 7.24-29).

O leigo e a teologia

O caminho para o desenvolvimento de uma Cosmovisão genuinamente bíblica passa pelo estudo da teologia. Todo teólogo, um dia foi um leigo que tinha pouco ou nenhum conhecimento das escrituras, o que o cristão não pode, é se contentar em ser sempre um desconhecedor da fé que ele diz professar, principalmente, em um mundo que cada vez mais se levanta e posiciona contra o evangelho.

“Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.”
Oséias 6:3

Esse chamado em conhecer o Senhor, é justamente para que não blasfememos atribuindo a Ele a responsabilidade por nossos atos e pecados. O conhecimento adequado daquele a quem dizemos servir, nos levará a uma compreensão bíblica de seus propósitos, o que naturalmente nos leva à obediência, que nos leva a santificação, sem a qual, ninguém verá o Senhor (Hb 12.14).

Conclusão

Compreender o que é, e a importância de uma cosmovisão alinhada com os princípios bíblicos é um passo importantíssimo para nossa sobrevivência nesse mundo pecaminoso e que cada vez mais se opõe a nosso Senhor. Como cristãos temos a responsabilidade de glorificar a Cristo com nossa maneira de viver, para que o poder transformador do Evangelho seja testemunhado pelos que ainda não crêem (Rm 8.9; 2 Co 5.17; Is. 43.18). No trabalho, na faculdade, na vida familiar, no convívio com amigos e em momentos de confronto de nossa fé, se quisermos sobreviver e glorificar o nome do Senhor em todas essas ocasiões, será necessário o desenvolvimento de uma Cosmovisão Cristã.

Dá uma olhadinha no nosso post contendo o Catecismo de Westminster, basta clicar aqui  lá você encontrará um conteúdo que com certeza te ajudará a iniciar o processo de desenvolvimento de uma cosmovisão bíblica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *