Casamentos líquidos

Esse texto é basicamente uma continuação do texto Pornografia e Masturbação que são assuntos bem comuns em nosso dia-a-dia e que por mais que estejam sendo empurrados goela abaixo pela mídia e pelo hedonismo de nosso tempo, a prática sexual para ser plenamente aproveitada, precisa seguir os padrões bíblicos, pois é por meio da Bíblia que podemos visualizar o propósito de Deus para o homem nesse assunto. Quem acha que a Palavra não fala sobre sexo, precisa ler Cantares de Salomão (Cânticos dos Cânticos). Os dois pontos de hoje são assuntos que tornaram banais e mais do que nunca precisam ser tratados à luz da Palavra de Deus.

O que é adultério?

A palavra adultério, vem do latim adalterar,  ad que significa “para”, alterar que significa “outro” ou “diferente”. Ou seja, mudar para um outro estado; transformar; deturpar; distorcer. É o ato de fazer sexo com uma pessoa que não o cônjuge legal.
Na Bíblia, a palavra aparece primeiro em Êxodo 20.14, nos dez mandamentos: Não adulterarás. A palavra hebraica é na’aph que possui o mesmo significado que em latim.

O casamento entre homem e mulher, é uma representação do relacionamento entre Cristo e a Igreja. As esposas são instruídas a serem submissas aos seus maridos, por conta de este representar a autoridade de Cristo em relação à sua noiva. Em contrapartida, os maridos são chamados a amar suas esposas do mesmo modo que  Cristo amou a igreja, um amor acima de todos os amores, com disposição até mesmo para o sacrifício (Ef. 5.22-33).

Essa analogia com o casamento é importante, pois Deus não faz nada sem um propósito. Deus não instituiu o casamento apenas para procriação, se fosse assim, não haveria necessidade de sair da casa dos pais para viver a vida a dois (Gn 2.24). Bastaria fazer como os demais animais e sair por aí se procriando. O Senhor nos dotou de consciência e nos chamou para sermos como Ele a fim de o glorificarmos e nos alegrarmos nEle (Gn 2.28).

A prática do adultério é tão grave, que quando os israelitas seguiam a outros deuses, era dessa forma que o Senhor comparava suas ações, chamando de adultério (Jr 3.8; 7.9; 13.27; 23.14; 29.23; Ez 23.43; Os 2.2). Pois romperam a aliança que estabeleceram com Ele.

A principal causa de adultério é a falta de maturidade emocional de uma pessoa que sacrifica seu compromisso com seu cônjuge para atingir uma prazer passageiro. Considera que a integridade pessoal não é importante e que a necessidade de ser amado pode ser preenchido enquanto viola a vontade de Deus. É comum que as pessoas pensem da seguinte forma: “Eu tenho o direito de preencher minhas necessidades básicas de amor, significado e segurança. Eu não acho que deva zelar pelo meu compromisso prévio, porque minha esposa não atende a todas as minhas necessidades.”

Bem, a Palavra tem algo a dizer sobre isso:

Beba água da sua própria cisterna e das correntes do teu poço…
Sejam para ti somente e não para os estranhos contigo. Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, corça de amores e gazela graciosa. Saciem-te os teus seios em todo o tempo; e embriaga-te sempre com as suas carícias.
Provérbios 5.15,17-19

Jesus dá um sentido muito mais amplo a questão do adultério:

Ouvistes o que foi dito: Não adulterarás. Eu porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela.
Mateus 5.27,28

Agostinho de Hipona, tece o seguinte comentário a respeito:
“Há três coisas que tornam completo o pecado: a sugestão de pecar, o ter prazer e o consentir”. Do mesmo modo que ao oscilarmos na fé, cometemos adultério para com Deus, quando oscilamos em nossos sentimentos com relação aos nossos cônjuges já os traímos em pensamentos.
Troca de casais, swing, orgias, sexo a três… são coisas que têm ganhado muita proporção em nossos dias. O sociólogo Zygmunt Bauman classifica nossos tempos como tempos líquidos. Tempos onde nada mais tem sustentação. Crenças se transformaram e mudam de forma tão rápido e tão frequentemente que chegam ao ponto de não se sustentarem mais. Casais têm acreditado que para que a relação se sustente, é preciso “apimentar” a relação e com isso se sentem estimulados a buscar prazer em fantasias e em outras pessoas quando deveriam buscar entre si.

Como homens e mulheres de Deus, precisamos nos lembrar quem somos e no que cremos, para que ao encontrarmos casais nessa situação possamos instruí-los biblicamente. Casais fazem missões juntos ao revelarem em seu relacionamento, o relacionamento entre Cristo e a Igreja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *