Os Cinco Solas da Reforma Protestante: Solus Christus

Chegamos ao texto que conclui os Cinco Solas. Falar de Jesus é algo que por vezes é muito fácil, outras é difícil, mas nunca um fardo! Como deve ser, é o assunto mais inspirador da Palavra, afinal, é dEle que ela se trata, é para a glória d’Ele, e é por meio d’Ele que ela existe! Espero que ao final desse texto, sintam-se inspirados, a vê-Lo como o centro de suas vidas, e como a causa da criação, e a perfeição de tudo que é bom!

Antes de Cristo

O pecado e o ser humano possuem uma relação muito mais íntima do que queremos admitir. Nossa natureza pecaminosa, não se resume apenas às nossas ações. Na verdade, tudo o que fazemos, é reflexo do que somos. Se pecamos deliberadamente, é porque somos assim. Quando chegar o dia de acertarmos as contas com Deus, não seremos julgados por nossas ações, mas por nosso estado.
Enquanto no pecado, vivemos com um alvo em nossas almas, esse alvo funciona como um ímã para a ira de Deus sobre nós. Nessa condição, não podemos fazer nada por nós mesmos, estamos mortos espiritualmente, e sem perspectiva de mudança independente do quanto achamos que somos bons, ou justos. Do ponto de vista de Deus, estamos mortos e corrompidos, sem justiça e qualquer outra virtude.

Depois de Cristo

Biblicamente falando, ninguém que tenha tido um encontro com o Senhor Jesus permanece o mesmo. Tomemos como exemplo, os casos em que Jesus tocou e foi tocado por pessoas, que pela Lei, deveriam tê-lo contaminado, mas foram purificados por Ele. Temos dois casos bem interessantes, o leproso (Mc 1.40-45) e o da mulher do fluxo de sangue (Lc 8.45). Ambos os casos nos representam de forma muito fiel.
Quando tocados pelo Senhor, não são nossos pecados impurezas, injustiças, sujeiras, imundícies e transgressões que o contaminam. É o oposto que ocorre, nós é quem somos limpos por Ele!!!

Lembram que no texto sobre a Sola Fide comentamos sobre o papel da Fé na salvação? Pois é, Cristo é a gravidade exercendo a força de atração sobre a nossa fé para a vontade do Pai (Sola Fide). Ele é a expressão da graça divina ao clamar por perdão sobre aqueles que zombavam dEle (Sola Gratia). O Nazareno é a consolidação de toda a escritura, o centro de toda ela, sendo profetizado e anunciado no Antigo Testamento, e o cumprimento e revelação no Novo (Sola Scriptura). Ele é a glória de Deus-Pai, em carne e osso, em espírito e glória, em humildade e louvor (Soli Deo Gloria).

Somente Cristo exerce a função de intercessor, pois somente Ele tem condições de nos tornar filhos de Deus. Somente Ele, tem condição de pagar nossa dívida diante do Pai. Somente Ele, pôde suportar o peso da ira de Deus sobre seus ombros para que hoje, pudéssemos estar em comunhão com o Criador novamente!

Porque dEle e por Ele, e para Ele, são todas as coisas; glória, pois, a Ele eternamente. Amém. (Rm 11.36)

Solus Christus!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *