Soberba – O pecado da virtude

Você pode ter lido o título e ter pensado: “isso não é meio contraditório?” Olhando de longe, sim. Mas, no decorrer das próximas linhas, vamos ver que não é tão contraditório quanto pensou, e até bem presente em nossos dias.

De todos os pecados enumerados na Palavra de Deus, a soberba é provavelmente o mais sutil e mais perigoso. Ela tem origem no próprio Satanás (lTm 3.6), e é usado por ele como uma armadilha no coração humano para desfigurar a imagem daqueles que desejam posições elevadas. O que começa a ser uma obra para a glória de Deus pode, de forma rápida e fácil, converter-se em glória para si mesmo. A soberba faz com que seu possuidor tenha um elevado conceito de si mesmo, colocando-se acima dos demais (Pv 21.24). Geralmente, as pessoas que possuem tal sentimento costumam não ouvir os outros, acham que sabem tudo, eles dispensam bons conselhos porque acreditam que os outros não sabem de nada. A soberba é tida como a mãe de todos os outros pecados. A Bíblia é clara quando afirma que a soberba precede à ruína (Pv 16.18).

Vamos refletir no que resultou na queda de Satanás: “E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, da banda dos lados do Norte. Subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo”. (Is 14.13-14). A Palavra é direta ao nos dizer que o Senhor não tolera o orgulho: “Aquele que tem olhar altivo e coração soberbo, não o suportarei”. (Sl 101.5);” “Deus resiste aos soberbos, dá, porém, graça aos humildes”. (Tg 4.6): “Abominação é para o Senhor todo altivo de coração; ainda que ele junte a mão à mão, não ficará impune”. (Pv 16.5). Devido ao seu orgulho, Satanás e seus anjos somente podem esperar a condenação e a punição eternas (Mt 25.41).

O grande opositor ao Senhor, era um anjo de bondade, inteligente e admirável, criado por Deus, mas que, uma vez contaminado pelo orgulho e pela ânsia de poder, revoltou-se contra a autoridade de Deus, num esforço para se levantar em posição de ser igual a Deus. Em Ezequiel 28, encontra-se uma narração do rei Tiro, e também de Satanás, que era o poder espiritual que o estimulava e controlava, e, ambos caíram devido ao seu orgulho.

Todo aquele que é orgulhoso, todo aquele que ergue sua casa apoiando-se em si mesmo, no dinheiro, no conhecimento que possui, tende a ruir. Uma história que particularmente, acredito nos ensinar algo de muito valor, sobre a soberba, é a de Nabucodonosor. O soberbo monarca se esquecera de que Deus havia lhe conferido o reino (Daniel 2:37) e que Ele tem domínio sobre o reino dos homens (Daniel 4:17). Um ano depois do sonho de uma árvore que representava o seu reino – Nabucodonosor louvou ao Senhor na ocasião – o rei estava caminhando pela cobertura do seu palácio, e seu coração se encheu de orgulho porque essa bela cidade era em grande parte, criação dele. No mesmo instante em que se orgulhava de si mesmo, o rei ouviu uma voz do Céu que anunciava haver chegado o momento do juízo preconizado havia um ano (Daniel 4:30 e 31). O rei perdeu a razão e foi expulso para os campos, onde ele ficou durante sete anos a comer capim como os bois (Daniel 4:33).

O salmista Davi servia a um Senhor que castiga com rigor os orgulhosos e, por isso, ele escreveu: “Porque tu livrarás o povo aflito e abaterás os olhos altivos”. (Sl 18.27). Ele tinha consciência que servia a um Deus que trabalhava em favor dos humildes e contra os homens orgulhosos. O Senhor blinda os que são sinceros de coração, mas não poupa castigo para com os orgulhosos (Sl 31.23).

Dentre todos os ídolos que o coração humano é capaz de fabricar, o ego, é o mais difícil de se combater. Pois ele busca qualquer resquício de glória para si, e usa qualquer virtude que tenhamos, como uma forma de louvar a si mesmo. Está presente até mesmo, na nossa pretensa humildade, quando zombamos do posto alcançado por alguém, mas com o coração cheio de inveja e amargura, nos dizendo que somos mais capacitados para ocupar tal posto. Quando justificamos nossa arrogância por trás da falsa moralidade que norteia nossas ações. A soberba é um veneno tão doce, que somos capazes de matar nossas almas tomando goles e mais goles, enquanto nos embriagamos em nós mesmos.

Em contrapartida, a figura de Cristo no mostra o oposto, a humildade.

Humildade vem da palavra “húmus” que significa terra fértil, o solo sobre nós. É a qualidade das pessoas que procuram se manter com os “pés na terra”, no mesmo nível dos outros. Ninguém é pior, ou melhor; todos estamos no mesmo nível, porque somente Deus está acima, por isso devemos manter dignidade, cordialidade, respeito, simplicidade e honestidade com todos, se quisermos alcançar a Deus. Humildade é assumir seus direitos e obrigações, erros e culpas sem resistir. Agir diferente disto é uma arrogância, e uma negação da sua origem.

Que o Espírito Santo do Senhor nos lembre sempre de Filipenses 2.

Um comentário em “Soberba – O pecado da virtude

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *