Pecado tatuado

Não vou falar sobre tatuagem ser ou não pecado. Mas de um caso que aconteceu esse ano e que gerou uma grande mobilização nas redes sociais. Optei por não emitir nenhuma opinião num primeiro instante por achar que qualquer coisa no calor do momento, é sensacionalismo, e o objetivo deste blog, é antes de mais nada, trazer reflexões que possam edificar a vida dos leitores e contribuir de alguma forma, segundo a graça e misericórdia de Deus.

Um adolescente, uma bicicleta e uma frase

O jovem que estampou os noticiários e foi a causa de textos e posts inflamados na internet, foi acusado de ter tentado roubar uma bicicleta, e as duas testemunhas o pegaram e resolveram tatuar a frase “Eu sou ladrão e vacilão” na testa do rapaz. Essa história acontece com frequência no nosso dia-a-dia. Não pelo fato deste tipo de crime ocorrer no Brasil, mas pela nossa dificuldade em perdoar.

Quando não perdoamos alguém, é como se tatuássemos na testa dessa pessoa, a ofensa que ela praticou, seja conosco ou com algum conhecido. Não vemos mais a pessoa por trás da ofensa, somente um letreiro luminoso do que ela fez e com essa visão deturpada realizamos um julgamento precipitado que compromete a realidade dos fatos.

O perdão é a marca do evangelho. Cristo morreu para nos perdoar e redimir nossos pecados, e ressuscitou para que esse perdão permanecesse eterno. Então, qual a razão para insistirmos em tatuar os pecados dos outros em suas testas? Qual a razão de tatuarmos em nossas testas, aquele passado que nos recusamos a perdoar? Até quando os nossos irmãos serão vistos como criminosos, e nós permaneceremos na condição de júri para condenar e de juiz para garantir o cumprimento da pena? Somos chamados a julgar segundo a reta justiça, esta, que somente pode ser encontrada em Deus! (Jo 7.24)
Cristo é liberdade!

Nós sentimos prazer na desgraça tanto em fazer sofrer, como provocar a dor em nós mesmos. Notícia ruim corre rápido, porque ela é doce para nossa carne. As boas novas demora porque a felicidade do outro é uma afronta às minhas dificuldades.  E assim por diante, Jesus veio para nos salvar de nós mesmos, por que somos estupidamente decadentes.

O pecado do outro sempre ofende a Deus mais que o meu. Mas quem nos deu condição de decidir isso? Só quem tem esse panorama, é o próprio Deus. E aí, é onde colocamos Deus nos nossos achismos. Se achamos que Ele cabe na nossa concepção do que é certo e errado, achamos que esse “conhecimento” nos dá condições fazer esse tipo de julgamento e usar uma balança própria para pesar as ações.

De todos os deuses modernos disponíveis para adoração e culto, o ego, é o que mais recebe atenção em seus templos. O templo não é físico, é no nosso coração. Lá não temos visitantes, somos só nós, e ali adoramos o que quisermos, e se Deus não se enquadrar, vou amassar e deturpá-lo até que Ele caiba.

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Provérbios 4:23

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer.” Jeremias 17:9 

Viu como a palavra nos alerta sobre o nosso coração?

Assim como o laser é doloroso para quem deseja remover uma tatuagem, o perdão também é para quem se dispõe a viver uma nova vida em Cristo. É doloroso se livrar da acusação, e viver sem mácula.

O que seria de nós, se não fosse o sangue de Cristo a nos limpar?

Um comentário em “Pecado tatuado

  1. Quando liberamos o perdão, estamos fazendo uma faxina no nosso interior. O perdão quebra laços e estratégia de satanas, que como principal objerivo, matar, roubar e destruir. Quando perdoamos deixamos de julgar a carne e o sangue e afrontamos os principados, potestades e dominadores deste mundo tenebroso e para vencer é necessario esta revestido das armaduras de Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *