Relacionamentos Parte 2 – Amizades

Relaciomentos Amizades

O homem que tem muitos amigos sai perdendo; mas há amigos mais chegados que irmãos. Provérbios 18.24

Introdução 

Somos uma geração que se habituou com a velocidade incrivelmente rápida que as coisas chegam e logo se vão. É tudo muito instantâneo. Infelizmente, nossos relacionamentos tem tido o mesmo tratamento. O rodízio de pessoas já não é algo tão chocante atualmente, como era há uns tempos atrás.

Quantas pessoas foram chamadas de amigas por nós desde que passamos a nos socializar? Qual amizade de maior duração que possuímos, atualmente? Do nosso atual círculo de amizades, com quantas dessas pessoas nos relacionamos apenas por conveniência?

Porquê ter amigos é importante?

Nenhum homem é uma ilha. Todos nós, mesmo que a contragosto em algum estágio de nossas vidas iremos interagir com outras pessoas. Seja no ambiente familiar, na escola, no trabalho, ou, em qualquer outro local que reúna pessoas.

Imagine todos os momentos que considere importante em sua vida; tente vê-los sem a presença das pessoas que o dividiram com você. É praticamente certo que durante esse acontecimento, bom ou ruim, se tornou marcante por conta das pessoas à sua volta. Se foi em uma situação de perda, tanto o ente querido que se foi, quanto as pessoas que deram consolo, representam uma ligação que é extremamente complicada, mas ao mesmo tempo, belas.

Segundo Provérbios 17.17, ao amarmos o amigo em todo o tempo, na angústia, no sofrimento, na dificuldade e na dor, nas conquistas, nas risadas, nas brincadeiras,  nascerá o irmão.

Amigos são aqueles que estendem a mão quando caímos; são aqueles que nos aquecem quando há frio; quem nunca encarou o inverno da solidão, e se sentiu aquecido com a chegada do amigo? Quem nunca, encarou o sopro gelado do medo, e viu isso se dissipar com  encorajamento daquele irmão que sabe de seus temores? Eclesiastes 4.9-12.

Sozinho, há a possibilidade de derrota, mas acompanhado, ambos podem defender-se mutuamente. Quem nunca defendeu ou foi defendido por um amigo? Nem sempre, essa defesa precisa ser de alguma injúria física. Um amigo na maioria das vezes, protege o outro de calúnias, de ofensas, e principalmente, da incompreensão.  Ter um amigo, é conviver com um irmão que se escolhe.

Quantidade versus qualidade

Por mais que não pareça, as redes sociais tem mudado o modo como encaramos as amizades. Sabemos que a ideia por trás delas, é a aproximação das pessoas, em especial quem está longe e não se vê há um tempo. Olhando por essa ótica, elas cumprem bem o seu papel. Mas, vamos fazer um exercício reflexivo fácil. Quantas pessoas você tem como amigos no Facebook? Desses, com quantos você se encontra pessoalmente? Ainda nessa linha, desses com os quais você se encontra pessoalmente, quantos já te socorreram em um horário fora do comum (muito cedo ou muito tarde)?

Os números vão caindo de uma forma brusca, não é verdade? Isso acontece, e em alguns casos nos chocam, principalmente por conta de na correria do dia-a-dia não pararmos para materializar o virtual. Trocamos o contato, as risadas e as provocações, pela frieza das notificações que, massageam o ego, e nos dão uma sensação de popularidade que serve como uma espécie de casulo onde nos isolamos das pessoas e das mais simples formas de relações entre pessoas. E como podemos notar pelo texto de referência, quem tem muitos amigos, pode acabar ficando na mão, sendo que, inversamente proporcional, há amigos, e esses são poucos, que são mais chegados que irmãos.

Infelizmente, o nosso excesso de interação virtual, está matando nossas relações corpo-a-corpo.

Precisamos de solidez nos relacionamentos

Não é preciso ter uma idade avançada para perceber a mudança no modo de se criar laços, e como atualmente tais laços tem sido tão frágeis. Pense nas suas amizades mais antigas, e como elas se criaram e foram se solidificando com o passar dos anos. Qualquer relacionamento precisa passar pelo teste do tempo. Certa vez, o co-Pastor Carlos, da igreja Assembleia de Deus Jardim Ruyce, em Diadema, onde congreguei por mais de 10 anos, disse o seguinte: Só conhecemos alguém verdadeiramente, após termos comido um quilo de sal com ela. Por mais que pareça estranho a ideia de se comer um quilo de sal, há muita verdade nessa afirmação, pois, já percebeu como o sal é sempre posto em pitadas? Quanto tempo é necessário para se consumir um quilo inteiro de sal? De repente, tanto tempo que nem percebemos qual a última vez que precisamos repor o armário.

Precisamos retomar isso em nossos relacionamentos, a solidez. Trocamos de amigos, com muita facilidade, basta que digam algo que não gostamos, ou tomem alguma atitude controversa, para que os joguemos para escanteio.

As redes sociais, tomaram a nossa capacidade de perdoar. É mais fácil deletar e bloquear.

Cristo nos advertiu sobre o resfriamento do amor nos últimos dias. E isso se dá, em todas as esferas do amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *